Ferramentas Varroa

✽ Artigo » Ferramentas Para A Monitorização E Controlo Da Varroa I ✽

Todas as colónias de abelhas nos Estados Unidos e no Canadá ou têm Varroa hoje ou terão nos próximos meses. A infestação de Varroa  representa uma das grandes ameaças à saúde da abelha, à produção de mel e aos serviços de  polinização. Quando as colónias de abelhas não são tratadas ou são tratadas ineficazmente, as colónias podem morrer e os apicultores podem sofrer grandes perdas económicas e, no limite, pode ter impacto na produção de alimentos. Além disso, as colónias com Varroa são uma fonte de ácaros que se podem espalhar pelas outras colónias, até mesmo, por outros apiários, através da deriva, do roubo e do abandono da colónia.

Todos os apicultores devem permanecer vigilantes para detetar altos níveis de Varroa e devem estar preparados para, atempadamente, tomarem medidas para reduzir o número de ácaros. Um controlo de parasitas eficiente reduzirá as perdas de colónias e evitará o eventual contágio de doenças infecciosas entre colónias.

Este Guia explicará métodos práticos, eficientes, que o apicultor poderá usar para medir os níveis de infestação de Varroa nas suas colmeias e escolher os métodos de controlo apropriados. A Honey Bee Health Coalition oferece este Guia de graça e pede o favor de referir a Coligação em caso de distribuição.

Tools for Varroa Management: A Guide to effective Varroa sampling & control

Honey Bee Health Coalition, 2015

ferramentas varroa 1

Anúncios
Guia Varroa

✽ Artigo » Guia Prático: Ferramentas Para A Gestão Da Varroa ✽

Sugerimos o Guia – Tools for Varroa Management: A Guide To Effective Varroa Sampling & Control, publicado pela Honey Bee Health Coalition.

tools for varroa management

download 2  Descarregar Guia (pdf)

A Abordagem do Apicultor

Claro que a abordagem do apicultor comercial deve ser diferente da do amador, no entanto há certos princípios básicos na gestão das colónias que nem um nem outro podem negligenciar.

Beekeeping at Buckfast Abbey

Brother Adam

O Sucesso na Apicultura

[…] o sucesso na Apicultura é, em última análise, determinado pela nossa capacidade de assegurar que cada colónia está sempre na melhor condição para aproveitar ao máximo um fluxo de néctar, quando este chegar.

Beekeeping at Buckfast Abbey

Brother Adam

ascosferiose

✽ Artigo » Ascosferiose ✽

ASCOSFERIOSE | LARVAS DE GIZ | CRIA DE GIZ  | CHALKBROOD

Doença da criação provocada pelo fungo Ascosphaera apis.

Ataca as jovens larvas em crescimento antes de serem operculadas. As larvas são infetadas pelo alimento contaminado com esporos, que germinam no seu pequeno intestino. O fungo invade e mata a larva de fome, consome o seu tecido até só ficar uma múmia dura e branca. Estas múmias brancas eventualmente começam a mudar para uma cor mais escura, sinal que o fungo se reproduziu.

imagem ascosferiose 2Estas múmias negras difundem grande quantidade de novos esporos que contaminam a colmeia e acabam por infetar outras larvas. Muitos esporos ficam no mel, no pólen ou nos quadros. Resistem a baixas temperaturas e podem durar vários anos. A infeção pode ocorrer por esporos transportados por abelhas que andam a roubar, ou por abelhas perdidas. Pode ser mesmo através do apicultor, ao trocar material contaminado ou fornecendo alimentação que contém esporos.

imagem ascosferiose 3

Aparece quando a colónia entra em stress, especialmente por escassez de comida e temperaturas erráticas. De facto José Flores considera-a uma doença oportunista que aproveita situações de desequilíbrio. No mesmo artigo, o autor afirma que o arrefecimento da criação contribui como causa direta para o aparecimento da doença. Este arrefecimento pode acontecer devido à queda inesperada das temperaturas, ou na Primavera quando há um aumento de postura e não há abelhas suficientes para controlar a temperatura do ninho. Michael Bush, por seu lado refere a humidade como principal causa.

COMBATER A ASCOSFERIOSE

Colocar a colónia em local seco, ventilado e com a máxima exposição solar;

Melhorar a ventilação da colónia (por ex: estrado sanitário);

Substituir os quadros de criação velhos, de modo a reduzir o número de esporos;

Retirar e destruir favos de criação que tenham muitas larvas infetadas;

 ✽ Desinfetar ferramentas e luvas periodicamente;

Desinfetar com o maçarico material de madeira;

Desinfetar com lixívia material de plástico;

Remover as larvas mumificadas que caíram perto da colmeia;

Substituir a rainha (uma rainha com bom comportamento higiénico reduz os efeitos da doença).

Por fim gostaria de realçar que segundo Kim Flottum, devemos preservar as abelhas que com o seu comportamento higiénico, conseguem controlar completamente a ascosferiose e não a deixam desenvolver. “Boas práticas e abelhas resistentes são a solução“.

imagem ascosferiose 1

BIBLIOGRAFIA

FLORES, José Manuel, et al. – ASCOSFERIOSE (Ascosphaera apis): CAUSAS PREDISPONENTES, MEDIDAS DE CONTROLE E PREVENÇÃO. Boletim de Industria Animal, N. Odessa, v.57, n.2, p.201-209, 2000

FLOTTUM, Kim – The Backyard Beekeeper : An Absolute Beginner’S Guide To Keeping Bees In Your Yard And Garden. Beverly : Quarry Books, 2014.

BUSH, Michael – The Practical Beekeeper : Beekeeping Naturally.

BeeAware | Established Pests | Chalkbrood Disease

rodape ascosferiose

Na realidade

Nós nunca tivemos nem nunca teremos realmente o domínio sobre a abelha. Ela é selvagem por natureza, fará sempre tudo à sua maneira e seguirá infalivelmente e inequivocamente os seus instintos. Cabe-nos compreendê-la e ajustarmo-nos à sua natureza maravilhosa, não tentando o impossível querendo dominá-la, mas em vez disso fazendo tudo o que puder-mos para servir as suas necessidades.

Beekeeping at Buckfast Abbey

Brother Adam